Vamos ver agora a camada de abstração da Unidade de Controle Eletrônico (ECU Abstraction Layer), esta camada é responsável por abstrair detalhes de uso dos dispositivos presentes no MCU e é uma camada intimamente ligada ao nicho automotivo.

Para relembrar a arquitetura de software do AUTOSAR, veja a imagem abaixo, obtida na documentação da AUTOSAR, que demonstra em um diagrama de blocos a relação das camadas e módulos de forma bem simplificada.

Arquitetura em módulos e camadas do AUTOSAR

A ECU é composta por uma grande variedade de outras unidades de controle, normalmente especializadas em cada recurso do automóvel, desde o controle de velocidade, freios, bancos, portas e vidros, luminosidade externa e interna, entre diversos outros, no Brasil conhecida como Centralina Eletrônica. É aquele equipamento que vem nos carros de ultima geração e permite gerenciar o veículo desde sua potência até outros recursos já citados.

A ECU ou Centralina, iremos chamar sempre de ECU é o nome técnico correto do equipamento, ele se tornou muito conhecido do publico quando se começou a vender equipamentos que se conectam pelo OBD2 ao computador ou microcontroladores comum permitindo interversões interessantes.

Na foto abaixo é apresentado uma ECU, imagem obtida no site https://www.prettymotors.com/ecu-reloaded/

ECU ou Centralina

A Camada de Abstração da ECU no AUTOSAR permite que a camada de serviço se torne independente do hardware que se encontra abaixo dela, não se limita ao microcontrolador, todo o hardware é abstraído seja interno ao MCU ou externo, portando abstraindo praticamente toda a ECU.

Quando não for possível a total abstração, a comunicação pode se dar via o canal oferecido pelos drivers de dispositivos complexos, não sendo usado nenhuma das camadas sendo usado o módulo de drivers complex, que veremos no próximo post.

Fontes


Carlos Delfino

Escrito por:

Desenvolvedor e consultor para projetos com Microcontroladores e Mobile

Google LinkedIn Digg Reddit StumbleUpon

Atualizado em